Objetos

Estou a partilhar contigo…

- Anda, vem comigo… Chamava-me devagarinho. Seguia-o até ao escritório onde se sentava na sua poltrona desgastada pelo tempo e eu apressadamente procurava um lugar para me instalar. Ali havia odores fortes e exóticos que me atiçavam os sentidos. Nas paredes os mapas antigos prometiam-me passeios a lugares distantes e os velhos livros  provavam-me que… Continuar lendo Estou a partilhar contigo…

Objetos

A ascensão das Damas

Pequenas no seu passo incerto Percorriam devagar os caminhos Eram fracas e dispensáveis! Pouco a pouco foram crescendo Já tinham voz e aconselhavam Davam-lhe a mão para caminhar. Delicadas ganharam força Movimentavam-se graciosamente! Já se tinham libertado Até se sacrificavam se necessário Passaram a ser gente…   A peça em cima é um xadrez de… Continuar lendo A ascensão das Damas

Objetos

Sweeney todd – o amor por detrás do ódio

Olho-me ao espelho e enquanto ensaio o meu sorriso a única coisa que vejo és tu… Não sei quando me vou voltar a cruzar contigo mas sei que quando acontecer quero simplesmente estar no meu melhor e principalmente quero estar á tua altura, ter todas as respostas e todas as perguntas, não quero perder de… Continuar lendo Sweeney todd – o amor por detrás do ódio

Objetos

Inocência perdida

Adorava aquela sala, figuras de animais imponentes que só ali podia ver de tão perto. Havia peças feitas de osso, de pele ou de marfim. Para mim eram provas das suas existências em lugares longínquos que na minha imaginação visitava. Ele orgulhoso mostrava-me as peças herdadas da família. Foi o meu avô que trouxe de… Continuar lendo Inocência perdida

Objetos

A caixa dos segredos – Maki-e

  "Guardo o que é magico, só o que é magico… Ela não é dourada mas tudo o que guarda é o que de mais valor tenho…. Guardo a minha primeira visão de ti mas também a ultima… Guardo o meu amor e a minha esperança, que um dia possamos recuperar tudo o que aqui… Continuar lendo A caixa dos segredos – Maki-e

Objetos

Pé descalço

Nem todas as casas da minha infância tinham tesouros dourados, havia casas cujas riquezas eram as vivencias de quem lá vivia e as suas histórias contadas que me levavam imaginariamente até aos mesmos lugares e aos mesmos tempos fazendo-me trabalhar, sofrer, rir e cantar com elas. Ela era velhinha com os cabelos cheios de nuvens… Continuar lendo Pé descalço