Documentos

Maçonaria – Primeira parte

 

Maçonaria.png

Abri a porta devagarinho, espreitei em silêncio…

Havia algo sinistro naquele quarto, nunca percebi o que era mas a curiosidade de criança ganha sempre à pouca moral que ainda existe.

Passei os bichos que me arrepiam até hoje, os quadros com pedacinhos de mundos a preto e branco e pé ante pé caminhei até à secretária… coloquei a mão sobre o documento com uma textura tão diferente de qualquer outro papel que vi até então…

 Tinha símbolos que não entendia…letras? Números? Desenhos? Oh que papel tão importante deve ser…

Ouvi alguém… ele veio até a mim e com um sorriso disse:

– Não falamos já sobre isto?

Corei…

– Um dia vais perceber, agora não é altura.

Talvez seja das poucas historias que ele nunca contou, talvez seja das poucas coisas que tive de descobrir sozinha, ou talvez não, porque verdade seja dita, ainda não descobri tudo!

Uma coisa é certa, seja por semelhança, por gostos, por proximidades ou apenas por conveniência a sociedade tem a tendência de se dividir em grupos.

Desde pequenos que temos o nosso núcleo familiar ou de amigos, mais tarde partilhamos o nosso tempo com quem tem os mesmos gostos ou interesses, por isso não é difícil acreditar que existam milhares de sociedades secretas às quais não temos acesso… porque não queremos e algumas porque não podemos.

Também sei que no mundo há pessoas de boas e de más intenções, assim não será de estranhar que dentro dos vários grupos possamos ter boas e más pessoas o que me leva a acreditar que nem todas as sociedades secretas são com más finalidades (o que não significa que não tenham membros com esse intuito).

A mais antiga sociedade secreta do mundo é a Maçonaria, teve inicio 1000 anos antes de cristo durante a construção do templo de Salomão e foi fundada pelo chamado “filho da viúva” (Hiram Abiff) que segundo a lenda é o Construtor do Templo de Salomão.

Durante a construção do templo três operários achavam que as plantas da construção tinham também escritas mágicas que lhe iriam conferir poder. Durante a construção sempre exigiram a Hiram que lhes dissesse quais as palavras mágicas, mas este disse que só no final da obra as poderia mostrar.

Os trê31959757_10156441703986204_3531583944862466048_ns homens cercaram as três portas do templo e a cada tentativa de fuga perguntavam a Hiram quais as palavras mágicas. Como sempre recusou-se a dizer, Hiram foi agredido na primeira porta com uma pedra afiada, na segunda com um esquadro de pedreiro e na terceira teve o golpe mortal com um cálice e ao morrer gritou: “quem ajudará o filho da viúva?”.

 

Na lenda, Hiram representa a liberdade de conhecimento, de religião, de politica e os três inimigos são a ignorância o fanatismo e a tirania.

Na realidade é muito mais difícil perceber o surgimento desta comunidade e julga-se que começou por um conjunto de mestres da construção civil (chamados de Maçons) que se uniram para valorizar o seu trabalho e escolherem os seus discípulos, a quem seriam passados os segredos da construção. Com o tempo, estas reuniões passaram a incluir a discussão de várias matérias e ciências.

Nos tempos que corriam, a Igreja era soberana e tudo o que lhe causasse perigo era extinto, assim, as reuniões onde se discutiam ciências (algo tão proibido e desacreditado na época) teriam de ser feitas em segredo, nasceu assim a Maçonaria.

Eram uma união de pessoas que tinham como único intuito a discussão e partilha de todo e qualquer conhecimento independentemente da raça, da religião e da politica.

Desta forma muitas das grandes personagens, conhecidas hoje como grandes cientistas, artistas, revolucionários, idealistas estavam inseridas nesta sociedade secreta não porque se juntaram para planear uma grande conspiração mas sim porque ali tinham a liberdade de discutir as suas ideias e pensamentos com outros Homens com os mesmos interesses e aspirações. Não precisavam de ter medo de expor as suas aprendizagens e os seus estudos, estavam livres para fazer perguntas e procurar respostas sem julgamento ou punições.

A junção de tantas identidades poderosas numa só organização levou ao medo e à criação não só de teorias de conspiração como grupos anti maçons que construíram ao redor desta comunidade um grande número de histórias fictícias e desprovidas de evidencias.

Nos dias de hoje a Maçonaria tem alguns milhões de discípulos espalhados pelo mundo e embora já não exista a necessidade de secretismo ainda existem alguns segredos ou factos sem explicita explicação.

Uma das maiores curiosidades no interior destas comunidades são os rituais de passagem ou de iniciação que sendo tão antigos como a própria podem se tornar estranhos ou até mesmo bizarros. Em tempos antigos, acredito que estes rituais fossem de crucial importância para manter a Igreja (ou qualquer ameaça) fora do círculo comunitário e manter não só o seu secretismo como consequentemente garantir a segurança daqueles que dela faziam parte.

O ritual de iniciação consiste numa morte fictícia em que o discípulo “renasce” como integrante desta comunidade, é realizada com inúmeras regras como por exemplo as vestes e é ainda feito um juramento sobre a bíblia em como não vão passar qualquer informação sobre a ordem para o exterior ou terão de enfrentar a pena de morte, mais especificamente:

“Eu, (nome), juro e prometo, de minha livre e espontânea vontade, pela minha honra e pela minha fé, em presença do Supremo Arquiteto do Universo, que é Deus perante esta assembleia de maçons, solene e sinceramente, nunca revelar quaisquer dos mistérios que sempre ocultarei e nunca revelarei qualquer uma das artes secretas, partes ou pontos dos mistérios ocultos da maçonaria que me vão ser confiados, senão a um bom e legítimo irmão ou em loja regularmente constituída, nunca os escrever, gravar, traçar, imprimir ou empregar outros meios pelos quais possa divulgá-los. Juro também ajudar e defender meus irmãos em tudo o que puder e for necessário,(…). Se violar este juramento, seja-me arrancada a língua, o pescoço cortado, e meu corpo enterrado nas areias do mar, onde o fluxo e o refluxo das ondas me mergulhem em perpétuo esquecimento, sendo declarado sacrílego para com Deus, e desonrado para com todos os homens. Amém”

 

 

2 opiniões sobre “Maçonaria – Primeira parte

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s