Adereços

Fosforeira Rose & Brough

Fosforeira de prata


 

 

Reconheço-te,

Já viajei contigo no tempo.

Deste-me luz, deste-me calor…

Sei o que foste e de quem foste…

És testemunho de vidas passadas,

Declaração das vidas presentes!

 

 

 

Embora o fogo seja companheiro do homem desde os primórdios da história, o fósforo semelhante ao que hoje conhecemos só foi encontrado em 1669 graças à Alquimia e só em 1826 teve início a elaboração de um produto final semelhante aos de hoje.

A Alquimia praticada na idade média, vem de uma fusão de ciências como a Astrologia, a Filosofia, a Química e a Religião. Tinha como objetivo três grandes descobertas: Como transformar matéria em ouro, encontrar o elixir da vida e produzir vida humana artificial. Começava assim uma nova era de experiências e de descobertas importantes que contribuíram para o desenvolvimento da humanidade como hoje a conhecemos.

No ano de 1669, Henning Brand ao destilar uma mistura de ureia e areia na procura da pedra filosofal obteve um material branco que brilhava no escuro e ardia com uma chama intensa, assim se descobriu o fósforo como elemento químico.
Henning denominou-o de phosphŏrus (palavra em latim que significa fonte de luz, aquele que ilumina).

Mas foi em 1826 que o Inglês Jonh Walker descobriu a combinação química que ao ser colocada na ponta de um palito de madeira podia ser acesa por atrito em qualquer superfície porosa dando origem a um “protótipo” dos fósforos comumente utilizados e aos quais ele chamou de Congreves (inspirado nos foguetes de guerra inventados em 1808 por William Congreve)

Embora práticos, estes fósforos não eram seguros pois eram de fácil ignição, levando ao aparecimento das primeiras fosforeiras que podiam ser produzidas em variados tipos de metais ou porcelana de forma a impedir que o fogo causasse danos no utilizador.

As fosforeiras eram particularmente desejadas pelos fumadores fazendo delas um acessório de luxo. Podemos encontrar estes objetos em ouro e prata e ornamentados com pedras preciosas, trabalhados como se de uma joia se tratasse.

A peça fotografada é original de Birmingham e pertence ao fabricante Rose & Brough do ano 1899 como pode ser notado nas marcas de contrastaria da figura abaixo.

Fosforeira Rose & Brough

 

“Do atrito de duas pedras saem faíscas, das faíscas vem o fogo e do fogo brota a luz.”

Victor Hugo

 

3 opiniões sobre “Fosforeira Rose & Brough

  1. Realmente estas peças de prata utilitárias são muito interessantes, até porque hoje perderam a sua razão de ser, nesta época de isqueiros de plástico. Fez um bom trabalho de identificação do ourives. Foi pena não conseguir identificar o monograma, mas por vezes só se conseguem identificar estas iniciais, se as peças forem de família. Um abraço, Luis

    Liked by 1 person

    1. Boa tarde Luis, é de realçar que a contrastaria inglesa, ao contrário da portuguesa, permite identificar facilmente o ano e o fabricante o que torna mais fácil a identificação destas peças. Em relação ao monograma mesmo sendo uma peça de familia é complicado a sua identificação devido à idade da mesma juntamente com a semelhança das iniciais que eram comumente utilizadas na época.
      Um Abraço
      O tempo tem histórias

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s