Adereços

Ópera

binóculos de teatro antigos

Ao fundo estava a sala dos tesouros, uma sala cheia de móveis antigos, alguns envidraçados mostrando joias de outros tempos.

O sol nesse dia lembrando-se de espreitar pela janela bateu lá em cima e um objeto respondeu-lhe soltando luzes de diferentes cores.

Colocando-me nas pontas dos pés, tentei espreitar:
– Que bonito! O que está ali em cima?
– São os binóculos da minha avó, respondeu-me ele tirando-os do móvel e colocando-os na minha mão.

Segurei nos binóculos com cuidado e ao revirá-los lentamente brotaram lindos tons rosas e azuis. 
– Vês? São de madrepérola como o interior de algumas conchas do mar. A madrepérola é chamada de mãe das pérolas… continuou ele
Conchas? Mar? Pérolas! Oh, claro que sim! Afinal eu estava na sala dos tesouros e tudo era possível.

Para construir uma ópera são necessários vários elementos. Começando pelo escritor original passando ao libretista, aos cantores, atores que atuam num cenário inteiramente pensado, decorado, iluminado e terminando com uma orquestra que acompanha todo o musical podemos talvez indagar que seja por todas estes esforços que se dê o nome de ópera uma vez que é uma palavra italiana que significa “trabalho”.

Para desfrutar uma obra desta magnitude é importante acompanhar todos os pormenores que aparecem ao longo da peça e por isso mesmo tiveram tanto sucesso os binóculos de teatro, por isso e por serem extramente uteis no que toca a inspecionar outros espectadores, não fosse a ópera um espetáculo de entretenimento mas também de estatuto.

Os binóculos de teatro utilizados hoje em dia são uma extensão evolutiva dos primeiros telescópios, sendo que a mais antiga referência a estes objetos pode ser encontrada em panfletos de teatro do ano de 1730.

Posteriormente foi inventada uma ponte metálica que unia dois pequenos telescópios levando os binóculos de ópera a apresentarem a configuração que vemos hoje em dia apenas com uma desvantagem, teriam de ser focados independentemente, pelo menos até ao ano de 1824, quando em Paris Piere Lemiere inventou a roda de foco para ambas as lentes em simultâneo.

Assim, de uma invenção de Galileu formou-se um objeto de puro luxo e lazer muitas vezes decorado com pedras e metais preciosos que marcavam posição nestes eventos sociais.

“Ópera is for a life time not just for a minute”

Kiri te Kanawa

Links relacionados:

  1. http://www.vam.ac.uk/content/articles/t/opera-in-england/
  2. http://www.fineoperaglasses.com/pages/The-History-of-Opera-Glasses-and-Theater-Binoculars.html
  3. http://www.gilai.com/article_22/Collectors-Guide-to-Opera-Glasses-History–Structure-and-More

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s